Pr. Gilvan Gomes

Pr. Gilvan Gomes

Sede Estadual - SE [email protected]

Pr. Márcio Silva

Pr. Márcio Silva

Sede Estadual - PI [email protected]

Pr. Regino Barros

Pr. Regino Barros

Sede Estadual – PE [email protected]

Pr. Leonardo Pinheiro

Pr. Leonardo Pinheiro

Sede Estadual – MA [email protected]

Pr. Dionatan Freitas

Pr. Dionatan Freitas

Sede Estadual - GO [email protected]

Pr. William Alves

Pr. William Alves

Sede Estadual – PA [email protected]

Pr. Raphael Batista

Pr. Raphael Batista

Sede Estadual – RS [email protected]

Pr. Carlos Pinheiro

Pr. Carlos Pinheiro

Sede Estadual – AL [email protected]

Pr. Wesley Santos

Pr. Wesley Santos

Sede Estadual – PR [email protected]

Pr. Delson Campos

Pr. Delson Campos

Sede Estadual – BA   [email protected]

Pr. Ademir Pereira

Pr. Ademir Pereira

Sede Estadual - RN [email protected]  

Pr. Danyel Pagliarin

Pr. Danyel Pagliarin

Sede Estadual – RJ [email protected]

Pr. Luciano Alves

Pr. Luciano Alves

Sede Estadual – AM [email protected]

Pr. Danilo Queiroz

Pr. Danilo Queiroz

Sede Estadual – CE   [email protected]  

Pr. Emerson Stevanelli

Pr. Emerson Stevanelli

Sede Estadual – PB [email protected]

Pr. Neilton Rocha

Pr. Neilton Rocha

Sede Nacional – SP   [email protected]  

Pr. Sandro Pinheiro

Pr. Sandro Pinheiro

Sede Distrital – DF   [email protected]

Pr. Joaquim Neto

Pr. Joaquim Neto

Sede Estadual – MG [email protected]

Pr. Fábio Henrique

Pr. Fábio Henrique

Sede Nacional em Portugal [email protected]

Após ataque, combustível ficará mais caro no Brasil, diz especialista

A disparada no preço do petróleo no mercado internacional, após os ataques a unidades petrolíferas na Arábia Saudita, deve pesar no bolso do consumidor brasileiro, na avaliação do especialista Adriano Pires, do CBIE (Centro Brasileiro de Infraestrutura).

Segundo ele, os ataques com drones no fim de semana trarão como resultado um aumento nos preços dos combustíveis de 8% a 10% nas refinarias brasileiras. "Claro que não vai ser uma alteração imediata no preço. A Petrobrás vai monitorar a situação, avaliar a extensão da crise e, espero, tomar alguma medida quanto ao preço no final da semana", diz.

Para ele, esse será um teste importante, para ver qual é, de verdade, a política do governo de Jair Bolsonaro para a Petrobrás.

Confira abaixo os principais trechos da entrevista

"Não. Sabemos que o ataque reduziu pela metade a capacidade de produção da Arábia Saudita, que responde por 10% da produção mundial de petróleo. O preço do petróleo teve seu pico de alta, o maior desde a guerra do Kuwait, em 1991. Foi algo bem similar em termos de alta do preço. Agora vamos ter de esperar para ver em quanto tempo a Arábia Saudita retoma sua produção, se os Estados Unidos vão usar seu estoque estratégico para o mercado, qual o tamanho desses estoques no mundo. O que todo mundo está se perguntando é o que vai acontecer agora. Foi colocada uma dúvida sobre a infraestrutura do país, que sofreu com o ataque de um drone. E tem também as implicações políticas. Os Estados Unidos culpam o Irã, que diz não ter responsabilidade. É uma escalada nas tensões na região".

"O primeiro, e mais óbvio, é a gente descobrir qual é, de verdade, a política do governo de Jair Bolsonaro com relação à Petrobrás. Eu espero que a empresa mantenha o compromisso de adotar uma política de preço alinhada com o mercado internacional. Sendo assim, espero um aumento nos preços dos combustíveis nas refinarias para as próximas semanas. O problema é que o governo, até agora, está alinhado com a categoria dos caminhoneiros. Será que ele vai assumir esse desafio? Se não assumir, o mercado vai reagir mal. Se não reajustar o preço e acompanhar o mercado internacional, certamente terá dificuldades em vender as refinarias da Petrobrás, que estão preparadas para serem vendidas".

"Com base no cenário que observamos hoje, que é a possibilidade do barril do petróleo se estabilizar em um novo patamar, de US$ 75, esse aumento nas refinarias teria de ser de 8% a 10%. Isso nas refinarias. Nas bombas o aumento é sempre menor, já que para a gasolina, além do Petróleo, tem a mistura de 27% de etanol".

"Para as próximas semanas. Não pode ser nada de imediato, já que a Petrobrás precisa avaliar o que vai acontecer com o mercado, tem muita especulação neste momento. Mas o mercado está ansioso por uma resposta da empresa e eu acho que ela não pode esperar muito para isso. Imagino que lá para o final desta semana deve vir um posicionamento"

"O sr. vê risco de uma nova greve dos caminhoneiros, se o preço do diesel subir? Não sei, é um teste para o governo. Viemos de uma greve dos caminhoneiros no passado, essa categoria tem muito influência com o presidente da República. Se o preço do diesel ficar em um patamar alto, como a Petrobrás vai repassar isso para os caminhoneiros? E como os caminhoneiros vão reagir?"

"A alta no preço dos combustíveis teria efeito na inflação. O que pode acontecer com a taxa de juros, nesse caso? A nova taxa Selic será definida pelo Banco Central na quarta-feira (18)".

"Eu acho que, como a reunião do Copom (Comitê de Política Monetária do BC) já é na quarta-feira, não deve ter efeito do aumento do petróleo. Não sei se vai dar tempo de avaliar o impacto disso na economia. Pode, no máximo, mexer um pouco, reduzir menos os juros. Mas eu acho provável que as mudanças no preço do petróleo, para um novo patamar, devem ter influência ocorrer na reunião seguinte do Copom".

Copyright © Estadão. Todos os direitos reservados.

Fonte: R7


bannerMemorial

Sexta, dia 29/11, às 19h   Projeto de Vida 2020     SEDE DISTRITAL             Av. Comercial Norte, QNE 27 - Lt. 20 - Taguatinga - Brasília - DF