Pr. Rodrigo Rosa

Pr. Rodrigo Rosa

Sede Estadual - GO pr.rodrigorosa@pazevida.org.br

Pr. Fábio Henrique

Pr. Fábio Henrique

Sede Nacional em Portugal pr.fabiohenrique@pazevida.org.br

Pr. Gilson Marques

Pr. Gilson Marques

Sede Estadual – RS pr.gilsonmarques@pazevida.org.br

Pr. Elianderson Castro

Pr. Elianderson Castro

Sede Estadual – AM pr.elianderson@pazevida.org.br

Pr. Regino Barros

Pr. Regino Barros

Sede Estadual – PB pr.reginobarros@pazevida.org.br

Pr. Danyel Pagliarin

Pr. Danyel Pagliarin

Sede Estadual – MG pr.danyelpagliarin@pazevida.org.br

Pr. Luciano Alves

Pr. Luciano Alves

Sede Estadual – PE pr.luciano@pazevida.org.br

Pr. Joaquim Neto

Pr. Joaquim Neto

Sede Internacional – SP   pr.joaquimneto@pazevida.org.br  

Pr. Luiz Carlos

Pr. Luiz Carlos

Sede Estadual – MA pr.luizcarlos@pazevida.org.br

Pr. Sandro Pinheiro

Pr. Sandro Pinheiro

Sede Distrital – DF   pr.sandropinheiro@pazevida.org.br

Pr. Neilton Rocha

Pr. Neilton Rocha

Sede Estadual – RJ pr.neilton@pazevida.org.br

Pr. Delson Campos

Pr. Delson Campos

Sede Estadual – PR pr.delson@pazevida.org.br

Pr. Gilvan Gomes

Pr. Gilvan Gomes

Sede Estadual - SE pr.gilvamgomes@pazevida.org.br

Pr. Carlos Pinheiro

Pr. Carlos Pinheiro

Sede Estadual – AL pr.carlospinheiro@pazevida.org.br

Pra. Marta Aguiar

Pra. Marta Aguiar

Sede Estadual – SC pra.martaaguiar@pazevida.org.br

Pr. Jean Vilela

Pr. Jean Vilela

Sede Estadual - RN pr.jeanvilela@pazevida.org.br

Pr. Ubyratan Araújo

Pr. Ubyratan Araújo

Sede Estadual – BA pr.ubyratan@pazevida.org.br

Pr. Crescio Rezende

Pr. Crescio Rezende

Sede Estadual – CE pr.crescio@pazevida.org.br

Pr. Alex Oliveira

Pr. Alex Oliveira

Sede Estadual – PA pr.alexoliveira@pazevida.org.br

Pr. Márcio Silva

Pr. Márcio Silva

Sede Estadual - PI pr.marciodasilva@pazevida.org.br

A Parábola das Dez Virgens

  – Então MT o Reino dos Céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram ao encontro do noivo.

Cinco delas eram insensatas e cinco prudentes.

Ora, as insensatas, tomando as lâmpadas, não levaram azeite consigo. As prudentes, porém, levaram azeite em suas vasilhas, juntamente com as lâmpadas.

E tardando o noivo, cochilaram todas e dormiram. Mas à meia-noite ouviu-se um grito:

– EIS O NOIVO! SAÍ-LHE AO ENCONTRO!

Então todas aquelas virgens se levantaram e prepararam as suas lâmpadas. E as insensatas disseram às prudentes:

- Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas estão se apagando.

Mas as prudentes responderam:

- Não; pois decerto não chegaria para nós e para vós. Ide antes aos que o vendem e comprai-o para vós.

E, tendo elas ido comprá-lo, chegou o noivo. E as que estavam preparadas entraram com ele para as bodas. E fechou-se a porta. Depois vieram também as outras virgens e disseram:

- Senhor, Senhor, abre-nos a porta.

Ele, porém, respondeu:

- Em verdade vos digo que não vos conheço. Vigiai, pois, porque não sabeis nem o Dia nem a Hora em que o Filho do Homem há de vir.

Notas do Autor: MT 25:1-14

DEZ VIRGENS. Note que todas eram virgens e tinham lâmpadas acesas. Quem tinha acendido as lâmpadas? O salmista responde: “Sim, Tu acendes a minha candeia; o SENHOR Meu Deus alumia as minhas trevas” (Sl 18:28). É Jesus, porque Ele disse: “Vim lançar fogo à terra; e que mais quero, se já está aceso? (Lc 12:49).

LÂMPADAS. São os membros das Igrejas (Mt 5:14; Lc 8:16).

SAÍRAM AO ENCONTRO DO NOIVO. Nos casamentos orientais, é a noiva que se muda para a casa do noivo. Nesta parábola Jesus revela a finalidade da Igreja: como Noiva, sair ao encontro do Noivo e morar com Ele para sempre.

CINCO DELAS ERAM INSENSATAS E CINCO PRUDENTES. Prudentes são aqueles que constroem suas bases sobre a Rocha e observam, com pureza, a Palavra do Senhor (Mt 7:24; Lc 6:48), vigiando em todo o tempo e trazendo sempre o Azeite.

AS PRUDENTES... LEVARAM AZEITE EM SUAS VASILHAS. É dever de cada um, no dia a dia, prover o Azeite “continuamente” para não deixar a chama apagar, a fim de esperá-lO (Mt 25:3-4). A Torá já demonstrava, por figura, que é responsabilidade da pessoa prover o Azeite: “Disse mais o SENHOR a Moisés: Ordena aos filhos de Israel que te tragam, para o candeeiro, azeite de oliveira, puro, batido, a fim de manter uma lâmpada acesa continuamente” (Lv 24:1-2; Êx 27:20). Note que Deus exige azeite “puro” para a lâmpada. O Azeite, em toda a Escritura, é o símbolo do Espírito Santo de Deus. Quando Samuel tomou o vaso de azeite e ungiu Davi, está escrito que “daquele dia em diante o Espírito do Senhor se apoderou de Davi” (I Sm 16:13). O Azeite “puro” significa que a pessoa não podia trazer Azeite misturado com outro óleo. Ou seja, não se pode misturar na lâmpada – o nosso corpo – o Espírito Santo com outros espíritos. Outra ordem na Torá determinava que as lâmpadas tinham de ser conservadas em ordem, no Tabernáculo, sobre o candelabro: “Arão a conservará em ordem perante o Senhor, continuamente, desde a tarde até a manhã, fora do véu do testemunho, na tenda da revelação; será estatuto perpétuo pelas vossas gerações. Sobre o candelabro de ouro puro conservará em ordem as lâmpadas perante o Senhor continuamente” (Lv 24:3-4). Entendendo melhor: lugar de Lâmpada é no Tabernáculo, perante o Senhor, continuamente, para se manter acesa, com o cuidado do sacerdote. Ainda na parte do candelabro, há a seguinte ordem: “o candelabro puro com suas lâmpadas todas em ordem, com todos os seus utensílios, e o azeite para a luz” (Êx 39:37). Como em Apocalipse 1:20 o Senhor diz que o Candelabro é a Igreja, o significado espiritual deste texto de Êxodo fica muito claro e pode ser lido assim: “A Igreja pura com os seus membros todos em ordem, com seus testemunhos, e o Espírito Santo para iluminar”. Chegamos, então, à conclusão de que as “dez virgens” são, também, Dez Igrejas. O número dez, na Torá, é símbolo de totalidade. Assim, as Dez Virgens representam todas as Igrejas, de todas as épocas. O fogo é o Senhor quem acende, porque é Ele quem batiza com “Espírito Santo e com Fogo” (Mt 3:11b). O Azeite mantém as Lâmpadas acesas. Mas é a própria pessoa que tem de buscar e manter o Azeite. As prudentes estavam em ordem e preparadas.

E TARDANDO O NOIVO, COCHILARAM TODAS, E DORMIRAM. Jesus enfatizou que o Noivo iria demorar. Note que tanto as virgens insensatas como as prudentes “cochilaram todas”. Jesus profetizou uma época em que todos cochilariam. Sua vinda se dará exatamente neste momento. Ele disse: “Quando, porém, vier o Filho do Homem, porventura, achará fé na Terra?” (Lc 18:8a).

MAS À MEIA-NOITE. Representa “A Última Hora”.

OUVIU-SE UM GRITO: EIS O NOIVO! SAÍ-LHE AO ENCONTRO! Este brado é a trombeta tocando. Interessa somente à Noiva, a única que vai ouvi-lO. É o “clangor” da trombeta do Arrebatamento.

DAI-NOS DO VOSSO AZEITE, PORQUE AS NOSSAS LÂMPADAS ESTÃO SE APAGANDO. Este pedido das insensatas às prudentes mostra o desespero de quem tenta apegar-se a outros seres humanos, bem como a aflição de quem tenta preparar-se na última hora. Nesta parábola Jesus mostra que as outras pessoas não são as indicadas para dar o “Azeite”.

IDE ANTES AOS QUE O VENDEM, E COMPRAI-O PARA VÓS. Quem vende? Ele mesmo responde: “Ó vós, que não tendes dinheiro, vinde, comprai, e comei; sim, vinde e comprai, sem dinheiro e sem preço” (Is 55:1b). E também: “Aconselho-te que de mim compres ouro refinado no fogo, para que te enriqueças; e vestes brancas, para que te vistas, e não seja manifesta a vergonha da tua nudez; e colírio, a fim de ungires os teus olhos, para que vejas” (Ap 3:18).

CHEGOU O NOIVO. E AS QUE ESTAVAM PREPARADAS ENTRARAM... E FECHOU-SE A PORTA. Depois que a Noiva entrar, a porta da Salvação pela Graça se fechará. O “Azeite”, que é o Espírito Santo, e as lâmpadas, que são os salvos, não estarão mais na Terra. A Luz do mundo se apagará. Só restarão as trevas exteriores, o reinado do Anticristo.

SENHOR, SENHOR, ABRE-NOS A PORTA. Quando Noé entrou na Arca, o próprio Deus fechou a porta (Gn 7:16). Os que ficaram do lado de fora também gritaram desta maneira. Mas era tarde demais. Não se esqueça de que Jesus, também falando de Sua volta, citou Noé, dizendo que a mesma situação se repetirá (Mt 24:37-39).

NÃO VOS CONHEÇO. Ele disse: “EU SOU o Bom Pastor; conheço as minhas ovelhas e elas me conhecem, assim como o Pai me conhece e eu conheço o Pai. E dou a minha Vida pelas ovelhas. Tenho ainda outras ovelhas que não são deste aprisco. A essas também me importa conduzir e elas ouvirão a minha voz. E haverá um só rebanho e um só Pastor” (Jo 10:14-16). As ovelhas que Ele conhece são aquelas que O reconhecem como o único Pastor. Clareando: no início da vida cristã, cada pessoa que recebe Jesus como Único, Suficiente, Exclusivo e Eterno Salvador recebe: Pureza (como se nunca tivesse pecado, como uma Virgem), Luz (Jesus), Fogo (Poder do Alto) e Azeite (o Espírito Santo). É uma porção inicial, para testemunho (Mt 5:15-16). Por isso todos, insensatos ou prudentes, sentem a alegria do primeiro Amor pelo Noivo. Cabe a cada um ser prudente e manter a lâmpada acesa, cheia de Azeite, porque a vinda do Noivo está cada vez mais próxima.

O casamento nos tempos de Cristo. Esta parábola fica ainda mais interessante quando conhecemos melhor o costume da época, com relação ao casamento:

O pai decidia quem seria o noivo. Não adiantava a noiva achar outra pessoa mais bonita, ou deixar-se seduzir pela boa conversa de qualquer noivo. Ou a noiva casava com o noivo escolhido pelo pai, ou não haveria núpcias. Do mesmo modo, foi o Pai Celestial quem determinou que Jesus é o Noivo: “Porquanto determinou um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do varão que para isso ordenou; e disso tem dado certeza a todos, ressuscitando-O dentre os mortos” (At 17:31). Quem determinou que só Jesus salva foi o Pai: “E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do Céu nenhum outro Nome há, dado entre os homens, em que devamos ser salvos” (At 4:12). É Ele o Noivo ou não haverá Bodas com nenhum outro.

O noivo tinha de pagar um dote. Jesus pagou o mais alto dote pela Noiva: “Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver, que por tradição recebestes dos vossos pais, mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro sem defeito e sem mancha” (I Pe 1:18-19).

O dia do casamento. Naquele dia o noivo, acompanhado dos seus amigos, saía da casa de seu pai e ia até a casa da noiva, cantando com alegria. E todos iam tocando instrumentos. Assim também será nas “Bodas do Cordeiro”: Ele sairá da “Casa de Meu Pai” (Jo 14:2-3) e virá acompanhado de Seus amigos – “Seus santos anjos” (Mt 25:31) – , que estarão soando as trombetas: “Porque o mesmo SENHOR descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo e com a trombeta de Deus” (I Ts 4:16a)...

A festa de casamento. Era na casa do noivo. A noiva era escoltada pelo pai até a tenda de núpcias. Igualmente, após tomar a Sua “Noiva”, Jesus irá levá-la para a Glória: “... e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro; depois, nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o SENHOR nos ares, e assim estaremos sempre com o SENHOR” (I Ts 4:16a-17). Dali, para a Tenda de Núpcias: “Na casa de Meu Pai há muitas moradas. Se não fosse assim, eu vo-lO teria dito. Vou preparar-vos lugar. E, se Eu for e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos tomarei para Mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também” (Jo 14:2-3).

A festa durava sete dias. As núpcias do Cordeiro com a Sua Noiva deveriam durar uma semana de anos, conforme estava profetizado em Daniel 9:27. Mas, como após o arrebatamento começará o reino do Anticristo na Terra, seguido da Grande Tribulação, o Noivo abreviará as suas núpcias, conforme Ele mesmo disse: “E haverá então uma tribulação tão grande, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem jamais haverá” (Mt 24:21). “Se o SENHOR não abreviasse aqueles dias, ninguém se salvaria; mas Ele, por causa dos eleitos que escolheu, abreviou aqueles dias” (Mc 13:20) (Leia também Lc 21:25). Antes das Bodas do Cordeiro, nas nuvens do Céu e em oculto, se dará o Tribunal de Cristo, onde os salvos receberão – ou não – suas recompensas pelo trabalho prestado aqui na Terra, ou açoites, conforme o conhecimento que o “servo” tinha da vontade do Senhor e não a fez (Lc 12:47).

Por Juanribe Pagliarin

bannerMemorial

Sexta, dia 26/05, às 19h     SEDE RIO DE JANEIRO     A Ciência dos Edificadores   Av. Vicente de Carvalho, 1121 - Vila da Penha - Rio de Janeiro - RJ

 

   

 



 

Qual destas três Mensagens abaixo você gostaria de ouvir na segunda-feira 22/05/2017?