Pr. Emerson Stevanelli

Pr. Emerson Stevanelli

Sede Estadual – PB [email protected] [email protected]

Pr. Luciano Alves

Pr. Luciano Alves

Sede Estadual – AM [email protected]

Pr. Neilton Rocha

Pr. Neilton Rocha

Sede Internacional – SP   [email protected]  

Pr. Gilvan Gomes

Pr. Gilvan Gomes

Sede Estadual - SE [email protected]

Pr. Dionatan Freitas

Pr. Dionatan Freitas

Sede Estadual - GO [email protected]

Pr. Reinaldo Rosário

Pr. Reinaldo Rosário

Sede Estadual – CE [email protected]

Pr. Carlos Pinheiro

Pr. Carlos Pinheiro

Sede Estadual – AL [email protected]

Pr. Regino Barros

Pr. Regino Barros

Sede Estadual – BA   [email protected]

Pr. Danyel Pagliarin

Pr. Danyel Pagliarin

Sede Estadual – RJ [email protected]

Pr. Raphael Batista

Pr. Raphael Batista

Sede Estadual – RS [email protected]

Pr. Wesley Santos

Pr. Wesley Santos

Sede Estadual – PR [email protected]

Pr. Leonardo Pinheiro

Pr. Leonardo Pinheiro

Sede Estadual – MA [email protected]

Pr. Joaquim Neto

Pr. Joaquim Neto

Sede Estadual – MG [email protected]

Pr. Fábio Henrique

Pr. Fábio Henrique

Sede Nacional em Portugal [email protected]

Pr. Crescio Rezende

Pr. Crescio Rezende

Sede Estadual - RN [email protected]

Pr. Sandro Pinheiro

Pr. Sandro Pinheiro

Sede Distrital – DF   [email protected]

Pr. William Alves

Pr. William Alves

Sede Estadual – [email protected]

Pr. Delson Campos

Pr. Delson Campos

Sede Estadual – PE [email protected]

Pr. Márcio Silva

Pr. Márcio Silva

Sede Estadual - PI [email protected]

Conheça o produto que retira até 96% de agrotóxico da maçã

Um novo estudo mostrou que imergir a maçã por 15 minutos em solução de bicarbonato de sódio ajuda a retirar até 96% de agrotóxico.

bicarbonato de sódio, um produto comum de uso doméstico, acaba de ganhar mais uma incrível utilidade: retirar resíduos de agrotóxico na superfície de maçãs. De acordo com um estudo publicado nesta quarta-feira no periódico científico Journal of Agricultural and Food Chemistry, deixar a fruta15 minutos imersa em uma solução da substância reduziu 80% do tiabendazol e 96% do inseticida phosmet.

De acordo com informações da versão on-line da revista americana Time, as maçãs estão no topo da lista de frutas com os maiores níveis de resíduos de pesticidas do Grupo de Trabalho Ambiental (EWG, na sigla em inglês). Embora esses produtos sejam aprovados pela agência americana de proteção ambiental (Epa, na sigla em inglês) e considerados seguros em doses baixas, algumas pesquisas sugerem que é difícil avaliar com precisão seu impacto sobre a saúde ao longo do tempo.

Bicarbonato x água x hipoclorito de sódio

Para avaliar a eficácia do bicarbonato, pesquisadores da Universidade de Massachusetts, nos Estados Unidos, compararam três métodos de limpeza: bicarbonatoágua corrente e hipoclorito de sódio. Inicialmente, a equipe expôs, por 24 horas, maçãs ao phosmet e ao tiabendazol, dois pesticidas comuns.

Em seguida, as frutas contaminadas foram limpas de três formas diferentes: imersas em água misturada com bicarbonato (10 mg/ml) por 15 minutos, lavadas com água da torneira por dois minutos e mergulhadas em solução de hipoclorito de sódio (10 mg/ml) por 8 minutos.

Os resultados mostraram que, de longe, o bicarbonato foi o método mais efetivo. Após o período de imersão na solução, as maçãs tiveram 80% do tiabendazol e 96% do inseticida phosmet reduzidos em sua superfície e também em camadas mais profundas. O método menos efetivo foi lavar o produto com água corrente.

“Se a lavagem de fábrica [com alvejante] fosse efetiva, então não precisaríamos nos preocupar com a lavagem em casa, certo? Mas, verifica-se que a lavagem no nível da fábrica não é eficaz. Em casa, a maneira mais simples de lavar é com a água da torneira, mas também descobrimos que apenas a água da torneira não é tão eficaz. Para reduzir a exposição adicional aos pesticidas, sugerimos adicionar um pouco de bicarbonato de sódio”, disse Lili He, líder do estudo.

A diferença na redução da quantidade das substâncias se deu pelo alcance da penetração de cada composto. Enquanto o tiabendazol penetrou até 80 micrômetros de profundidade nas maçãs, o phosmet foi detectado a uma profundidade máxima de 20 micrômetros.

O importante é limpar

No entanto, os pesquisadores ressaltam que na ausência do bicarbonato ou de tempo, o ideal é pelo menos lavar a fruta em água corrente antes de consumi-la. Apesar desse não ser o método mais efetivo, já ajuda a remover um pouco do agrotóxico. Outra maneira é descascar a maçã, mas isso significa retirar propriedades importantes presentes na casca, como as fibras.

Fonte: VEJA


bannerMemorial

Dom. dia 21/10, às 8h     Reunião do Santo Jejum   SEDE ZONA LESTE         Av. Celso Garcia, 6076 - Penha - São Paulo - SP