Pr. Sandro Pinheiro

Pr. Sandro Pinheiro

Sede Distrital – DF   pr.sandropinheiro@pazevida.org.br

Pr. Ubyratan Araújo

Pr. Ubyratan Araújo

Sede Estadual – BA pr.ubyratan@pazevida.org.br

Pr. Carlos Pinheiro

Pr. Carlos Pinheiro

Sede Estadual – AL pr.carlospinheiro@pazevida.org.br

Pr. Regino Barros

Pr. Regino Barros

Sede Estadual – PB pr.reginobarros@pazevida.org.br

Pr. Gilvan Gomes

Pr. Gilvan Gomes

Sede Estadual - SE pr.gilvamgomes@pazevida.org.br

Pra. Marta Aguiar

Pra. Marta Aguiar

Sede Estadual – SC pra.martaaguiar@pazevida.org.br

Pr. Alex Oliveira

Pr. Alex Oliveira

Sede Estadual – PA pr.alexoliveira@pazevida.org.br

Pr. Delson Campos

Pr. Delson Campos

Sede Estadual – PR pr.delson@pazevida.org.br

Pr. Fábio Henrique

Pr. Fábio Henrique

Sede Nacional em Portugal pr.fabiohenrique@pazevida.org.br

Pr. Luiz Carlos

Pr. Luiz Carlos

Sede Estadual – MA pr.luizcarlos@pazevida.org.br

Pr. Jean Vilela

Pr. Jean Vilela

Sede Estadual - RN pr.jeanvilela@pazevida.org.br

Pr. Márcio Silva

Pr. Márcio Silva

Sede Estadual - PI pr.marciodasilva@pazevida.org.br

Pr. Danyel Pagliarin

Pr. Danyel Pagliarin

Sede Estadual – MG pr.danyelpagliarin@pazevida.org.br

Pr. Gilson Marques

Pr. Gilson Marques

Sede Estadual – RS pr.gilsonmarques@pazevida.org.br

Pr. Rodrigo Rosa

Pr. Rodrigo Rosa

Sede Estadual - GO pr.rodrigorosa@pazevida.org.br

Pr. Elianderson Castro

Pr. Elianderson Castro

Sede Estadual – AM pr.elianderson@pazevida.org.br

Pr. Crescio Rezende

Pr. Crescio Rezende

Sede Estadual – CE pr.crescio@pazevida.org.br

Pr. Neilton Rocha

Pr. Neilton Rocha

Sede Estadual – RJ pr.neilton@pazevida.org.br

Pr. Luciano Alves

Pr. Luciano Alves

Sede Estadual – PE pr.luciano@pazevida.org.br

Pr. Joaquim Neto

Pr. Joaquim Neto

Sede Internacional – SP   pr.joaquimneto@pazevida.org.br  

Um simples desenho pode ajudar a detectar o Parkinson

Por meio de uma espiral desenhada pelo paciente, o novo software pode medir os sintomas e avaliar a gravidade da doença com até 93% de precisão.

Você consegue desenhar uma espiral sem dificuldade? De acordo com um novo estudo publicado no periódico científico Frontiers of Neurology, essa habilidade, dependendo da rapidez e pressão exercida no traço, pode indicar os sintomas do Parkinson e ainda medir o estágio da doença.

Novo software

A rigidez na musculatura e os tremores das mãos, característicos da doença, são percebidos por um novo software, desenvolvido por pesquisadores do Instituto Real de Tecnologia de Melbourne, na Austrália. Os sintomas ficam evidentes quando os pacientes desenham uma espiral em uma folha de papel sob um tablet programado.

“Nosso objetivo era desenvolver um sistema eletrônico acessível e automatizado para o diagnóstico precoce do Parkinson, que poderia ser facilmente usado por um médico ou por uma equipe de enfermagem”, disse Poonam Zham, um dos pesquisadores.

No estudo, os cientistas testaram a nova tecnologia em 55 pessoas, sendo 27 delas diagnosticadas com Parkinson. A doença foi detectada com 93% de precisão – a lentidão do traço e a pressão exercida na caneta foram maiores entre os portadores, principalmente entre aqueles em estado crítico.

A doença

Hoje, o Parkinson é descoberto quando o paciente já está em um grau avançado da doença, quando os sintomas, os tremores e a fraqueza muscular, são bastante visíveis. Nessa fase, a produção celular do cérebro e as funções cognitivas já estão comprometidas. Quanto mais cedo a doença for detectada, melhor é o tratamento.

“Começar o tratamento somente depois do surgimento dos sintomas pode não ser o ideal. Sabemos que, quando alguém começa a sentir tremores ou rigidez, pode ser muito tarde”, disse Dinesh Kuman, principal autor do estudo.

Novidade

O novo sistema, segundo informações da rede BBC, é mais preciso do que os testes atuais, que não são capazes de medir o avanço do Parkinson com tanta acurácia, pois combina a velocidade e a força do deslize da caneta no papel em medidas específicas.

desenho em espiral é a técnica mais aconselhada e já vem sendo utilizada como confirmação do diagnóstico clínico. Ao contrário da escrita, o desenho não é influenciado pelo nível de escolaridade do paciente.

Os cientistas acreditam que esse seja um avanço para o diagnóstico precoce e para a descoberta de novos tratamentos para a condição. No entanto, os dados do estudo precisam ser aprimorados para que o novo software seja utilizado na prática.

Fonte: VEJA


bannerMemorial

Sábado, dia 25/11, às 13h Canto Pela Paz                        Pq da Juventude - Av. Cruzeiro do Sul, 2630 Santana - São Paulo - SP

 

   

 



 

Qual destas três Mensagens abaixo você gostaria de ouvir na segunda-feira 11/12/2017?